Por onde começar a ler Sherlock Holmes



Sherlock é um nome muito conhecido. É só falar que você vai imaginar um detetive com uma lupa e um cachimbo. Já tá no imaginário coletivo. 

Mas por onde começar? 

Há 4 romances e 56 contos. É mistério resolvido pra dar e vender. 

Ano passado fiz uma aula na faculdade sobre romance policial. Um dos motivos que me chamou atenção foi a presença da leitura de Sherlock Holmes. Eu simplesmente não sabia por onde começar a conhecer esse personagem tão famoso. São 56 contos! Por onde eu começo? 

Por isso, vou fazer uma espécie de guia para entrar nessa jornada chamada "acompanhar um detetive excêntrico na literatura britânica". Já aviso que não sou uma especialista, li pouco e vai ser só uma dica. Vou recomendar um romance e os dois contos que eu tive que ler para a aula. 

Primeiramente, algumas informações... 


O que é romance policial 


Todo mundo que acompanha séries hoje em dia sabe a quantidade de procedurais que existem e continuam saindo sem parar. 

Uma série procedural é aquela que tem um caso por semana e toda uma investigação para descobrir quem cometeu o crime.  Tipo CSI, Gotham...

Twin Peaks foi uma série que fez muito sucesso no anos 90 e girava em torno de uma questão: quem matou Laura Palmer? 



Mistério chama atenção e não é de hoje. Romances policiais surgiram no final do século XIX e venderam bastante. Holmes não é o único detetive criado. Na verdade, toda essa brincadeira começou com um detetive criado pelo Edgar Allan Poe: o Dupin. 

Mas o que é o tal do romance policial? O que ele precisa ter pra receber esse nome? Simples. A estrutura narrativa deve possuir os seguintes itens: 

a) um crime 

b) uma investigação

c) a revelação do malfeitor 

O foco da história é todo na elucidação do mistério. O leitor vai, de mãos dadas com o detetive, descobrindo pista por pista até chegar ao que realmente aconteceu. O romance policial não foca na mente do criminoso e no que ele estava pensando, foca na figura do detetive. 


Autor





Procurei "sir" no Google e a primeira sugestão já foi Sir Arthur Conan Doyle. 

Conan Doyle nasceu em Edimburgo, capital da Escócia, no Reino Unido. Ele nasceu em 1859. Geminiano. 

As histórias de Holmes foram consideradas uma grande inovação. A quantidade de fãs que o detetive tinha era grande. Uma história interessante está no livro Conversando com Mrs. Dalloway. Conforme a popularidade de Holmes foi aumentando, Conan Doyle foi perdendo o interesse. Ele queria escrever "coisas melhores". Logo, matou o personagem em O problema final. A questão é que os fãs ficaram tão tocados ao ponto de pessoas andarem na rua com uma tarja preta no braço como sinal de luto. 

Conan Doyle não se importou tanto. A única coisa que ele fez foi escrever "Matei Holmes" em seu diário. 

Do mesmo jeitinho que o Kafka escreveu, em 1914, em seu diário: "A Alemanha declarou guerra contra a Rússia. À tarde, fui nadar". 

O mundo lá fora tá um caos, mas matei Holmes, fui nadar. 

Mas só pra vocês saberem, os leitores não aceitaram mesmo a morte. Conan Doyle inventou uma solução e voltou a escrever sobre o detetive. 

Ressurgindo das cinzas como uma fênix. 

Conan Doyle morreu em 1930. Ele estava com 71 anos e teve um ataque cardíaco. Suas últimas palavras foram direcionadas à esposa: "Você é maravilhosa". 


Contexto do lançamento


Sherlock Holmes apareceu pela primeira vez no romance Um estudo em vermelho, lançado em 1887. Conan Doyle estava com 28 anos. Ano em que o gramofone foi patenteado e Heitor Villa-Lobos nasceu, no Brasil. 


Por onde começar




Se você quiser ser apresentado ao Sherlock e conhecê-lo aos pouquinhos, como você faria com qualquer outra pessoa na sua vida, comece por Um estudo em vermelho

A narrativa é feita em primeira pessoa por Watson, um médico que está procurando um colega de quarto. O aluguel tá caro e ele precisa dividir um apartamento com alguém. Indicam Holmes. Watson não se importa com o cheiro de tabaco e com excentricidades. Logo, eles vão morar na rua Baker. 

Logo de primeira o Holmes já descobre que o Watson estava no Afeganistão. Esse é um ponto interessante sobre o detetive. A forma como ele descobre as coisas só pelo olhar. Ele vê o mundo como ninguém mais vê. Ele vê, cria hipóteses e chega às conclusões com muita rapidez. A lupa é como um portal. 

Segundo Watson, Holmes não sabe nada sobre literatura, astronomia e filosofia. Mas conhece ópio e venenos. Sabe bastante sobre química. Reconhece vários tipos de solos com um olhar. Curte esgrima, boxe e é espadachim. Já escreveu sobre tabaco. E toca violino. 

Aos poucos, Watson vai estranhando a rotina do colega até descobrir que ele é um detetive. Quando ele vê, já está acompanhando Holmes em um mistério. Um corpo foi encontrado, há um anel no chão e a palavra RACHE na parede, pintada com sangue. 

A história é muito interessante. O recurso do flashback foi muito bem usado. Contudo, confesso que o livro não me empolgou tanto. Apenas no começo. Faltam poucas páginas para eu terminar. 


Conto: O roubo da coroa de Berilos





Tem essa coroa linda cheia de jóias. Ela é muito importante para a aristocracia. O dono leva até o banco para que a guardem. Só que o responsável do banco fica com tanto medo que algo de ruim aconteça que ele decide que levar para a sua casa é mais seguro, assim, ele vai poder ficar de olho na coroa a noite inteira. Ninguém da sua casa irá roubá-la. Né? 

Errado. Ele não se segura e acaba contando para alguns familiares que a coroa está lá. Só que a coroa... some. 

Quem roubou? 


Conto: O mistério do vale Boscombe





Um homem idoso é encontrado morto no bosque logo após uma briga com o filho. A culpa cai toda no herdeiro. Mas tem algo de estranho nessa história e Sherlock Holmes percebe.  

Quem realmente matou esse homem? O que o passado pode ter a ver com isso? 

Se eu não me engano, nesse conto tem Sherlock Holmes rolando na lama para descobrir evidências. Sempre válido. 


Conclusão



Achei os contos bem bacanas e li com rapidez. Isso porque não sou fã de romance policial. Adoro filmes de investigação, tipo Garota exemplar e Zodíaco (ambos do David Fincher, olha isso), mas sinto muita pressa para descobrir as coisas. Por isso, o romance foi mais difícil para mim. Depois que eu descobri quem era o assassino e a sua motivação, perdi o interesse. 

Pra quem gosta: prato cheio. Vale o rolê. 

Achei muito interessante como disseram, na aula, que o que prende o leitor a essas histórias é a própria presença do Holmes. Mesmo sendo meio arrogante e super excêntrico, o leitor quer mais disso. 

Se for para eu indicar romance policial, indico a trilogia Millenium. Livros de 500, 600 páginas que eu devorava em três dias. O primeiro, Os homens que não amavam as mulheres tem um mistério super envolvente sobre o desaparecimento de uma menina. E tem Lisbeth Salander, a minha personagem preferida do universo. E tem toda uma discussão sobre a violência contra a mulher na Suécia (e no mundo). 




Sobre a edição 



Esses livros que eu tenho são da Editora Melhoramentos. Foram lançados em 1999. 

O tamanho da página, as folhas brancas e a capa frágil me incomodaram, mas enquanto eu estava mergulhada na leitura, não me importei. 




6 comentários:

  1. Oi, flor!!
    Vejo que é nova por aqui!
    Seja muito bem vinda, já ganhou uma seguidora ;)

    Quanto ao post, nunca li nada do autor, mas me interesso muito pelo gênero que ele escreve, acho que iria gostar muito dos livros dele, pretendo dar uma oportunidade em breve ;)

    Bom final de semana!!

    Beijinhos!
    Sankas Books

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Thay!
      Sou nova sim, comecei ontem! hahaha
      Muito obrigada pelo carinho, também ganhou uma seguidora :)

      Vale a pena dar uma oportunidade, só pra saber se a gente gosta ou não. Estou ansiosa pra saber sua opinião sobre Holmes.

      Um ótimo final de semana pra você também! Bjs

      Excluir
  2. Que post fantástico! Sou doida pra ler Sherlock, adoro as duas séries que falam dele atualmente (Sherlock e Elementary) e agora sei por onde começar!


    A resenha ficou bem completa, adorei!

    Bjs, Mi

    O que tem na nossa estante

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Mi!!! Sabe que eu nunca assisti essas séries? Mas falam tão bem que agora eu fiquei com vontade! Depois quero saber o que você achou da leitura de Holmes (e se você prefere o livro ou as séries hahaha)

      Bjs

      Excluir
  3. No ano passado eu resolvi que queria muito começar a ler Sherlock Holmes, e queria começar na ordem certa, então procurei na biblioteca da minha escola na época e achei o Um Estudo em Vermelho nessa mesma edição que você tem e o li em apenas dois dias (teria lido em menos se não tivesse tido algumas distrações haha). Gostei muito da história assim que a encerrei, mas enquanto lia tinha momentos em que eu queria logo acabar porque estava muito massante... o estranho é que, assim que o livro acabou, eu me senti maravilhada e queria ler o livro novamente hahaha (?)
    Ainda não li os outros livros, mas quero fazer isso em breve =)

    Abraço,
    milenaschabat.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que demais! Foi uma entrada muito boa nesse mundo do Holmes! Você gosta bastante de romances policiais?
      Quando ler os outros, quero saber o que você achou!

      Bjs

      Excluir